Viagem‎ > ‎Pelo Rio Grande do Sul‎ > ‎

Na Fronteira da Paz

postado em 23 de abr de 2015 07:40 por Guilherme Caldas   [ atualizado em 23 de abr de 2015 13:11 por Bete ]


 

    O dólar está alto, mas mesmo assim ainda vale a pena ir até Santana do Livramento e aproveitar as delícias oferecidas pela Campanha gaúcha e a vizinha cidade uruguaia de Rivera. Os produtos importados nos free shops continuam mais baratos do que os comprados por aqui. Além disso, do lado brasileiro, outras tantas delícias aguardam os visitantes.

    A viagem é longa: 498 quilômetros separam Livramento da capital gaúcha. No entanto, a bela paisagem da Campanha, com o horizonte a perder de vista, parece reduzir o trajeto. Se você não gosta de dirigir por muito tempo, o melhor é optar pelo ônibus leito noturno e dormir durante todo o tempo. A linha é atendida pela Ouro e Prata, e a viagem dura 7 horas.



    Pela manhã, logo depois da chegada, é possível dar início à experiência gastronômica. Afinal, as medias lunas fazem parte do cardápio do café da manhã tanto nos hotéis do Brasil como do Uruguai. Escolha as simples ou as recheadas com doce de leite.

 

As compras


    O comércio de Rivera oferece dois tipos de produtos: os importados e os uruguaios. Os vinhos são os melhores representantes dessas duas opções. Afinal, merecem atenção a bebida uruguaia, principalmente os Tannats, casta emblemática do país vizinho, e os de outros países, com destaque para os chilenos e os argentinos. Vale também, posteriormente, uma degustação comparada com os vinhos brasileiros da região. A Campanha gaúcha tem se revelado como um achado para os tintos nacionais. 



    Para harmonizar com os vinhos, os queijos uruguaios são perfeitos. O parmesão tem sabor marcante e pode ser servido como aperitivo, acompanhado de mel e nozes, ou dar um toque especial a massas e a risotos. O brie é um sucesso quando servido quente e coberto de geleia. Deguste também o gruyére, o ementhal ou o colonial. A Le Carroussel, no número 374 da rua Agraciado, reúne queijos especiais, vinhos e produtos gourmet.



    Não deixe de conferir as centenas de produtos gourmet. Mas é preciso ter cuidado com as tentações. O limite de comprar permitido por quem viaja por rodovia é de 300 dólares. Em viagem aérea, o limite sobe para 500 dólares.    

 

Doce aventura


    Visita obrigatória, a confeitaria City , na rua Sarandi, é ponto de encontro de turistas e moradores de Santana do Livramento e de Rivera. É também um paraíso para os apreciadores, ou melhor seria dizer “adoradores”, do doce de leite uruguaio. Frente ao balcão, é impossível não esquecer completamente de qualquer dieta e se entregar à gula. O café expresso é uma boa pedida como acompanhamento.



    Não pense, no entanto, que a City se restringe a doces. O cardápio de delícias é muito extenso. Passa pelo pancho (cachorro-quente com uma salsicha saborosíssima), pelo chivito (pão de hambúrguer com filé, ovo cozido, presunto, queijo e salada), pelas pizzas (que têm massa grossa e são sem queijo, as com queijo são chamadas de “mussarelas”) e pelas tostadas (torradas com queijo e presunto). Ao final do dia, nada melhor que escolher uma mesinha na calçada e saborear uma cerveja local bem gelada.

 

Alô carnívoros!


    Se entreguem de corpo, alma e paladar às parrilladas. Se for ousado fique com a que inclui miúdos: chorizo (linguiça mista de porco e gado), morcilla (embutido à base de sangue de porco cozido e temperado, a doce faz muito sucesso entre os uruguaios), mollejas (glândula timo), chinchulines (tripas do intestino fino) e rins. O asado de tira é outra tradição do país vizinho. É o corte retirado da parte mais nobre da costela e ganha este nome devido ao formato de tira que forma com os ossos e a carne. É tenro, saboroso e suculento, devido às camadas de gordura que o entremeiam.  Uma das opções para viver essa experiência é o El Galpon, no número 351 da rua Ituzaigó.